20/12/2021

Estudo - Família e a base do sucesso ministerial

 

"Pois muitos são chamados, mas poucos são escolhidos". Mateus 22:14

Vamos começar este estudo da Família um assunto atual e importantíssimo para uma vida no ministério, mais antes eu quero salientar que na Igreja Comunhão Plena - Ministério Casa do Pai, ninguém tem o chamado para ser ouvinte ou telespectador, todos dentro do aprisco do Apostolo Sergio Lopes e Bispa Vera Lopes, desempenham um ministério no corpo de Cristo, pois temos uma visão de expansão e pioneirismo, está é parte da unção derramada através do chamado do nosso Apostolo.

 

Então Jesus, tomando a palavra, tornou a falar-lhes em parábolas, dizendo:
O reino dos céus é semelhante a um certo rei que celebrou as bodas de seu filho;

E enviou os seus servos a chamar os convidados para as bodas, e estes não quiseram vir.

Depois, enviou outros servos, dizendo: Dizei aos convidados: Eis que tenho o meu jantar preparado, os meus bois e cevados já mortos, e tudo já pronto; vinde às bodas.

Eles, porém, não fazendo caso, foram, um para o seu campo, outro para o seu negócio;
E os outros, apoderando-se dos servos, os ultrajaram e mataram.

E o rei, tendo notícia disto, encolerizou-se e, enviando os seus exércitos, destruiu aqueles homicidas, e incendiou a sua cidade.

Então diz aos servos: As bodas, na verdade, estão preparadas, mas os convidados não eram dignos.

Ide, pois, às saídas dos caminhos, e convidai para as bodas a todos os que encontrardes.
E os servos, saindo pelos caminhos, ajuntaram todos quantos encontraram, tanto maus como bons; e a festa nupcial foi cheia de convidados.

E o rei, entrando para ver os convidados, viu ali um homem que não estava trajado com veste de núpcias.

E disse-lhe: Amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu.
Disse, então, o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, levai-o, e lançai-o nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes.

Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos.


Mateus 22:1-14

Sabedores disso, vamos ao texto de Mateus 22:14, este texto faz parte da parábola descrita acima que no nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo contou a respeito de um Banquete de Casamento, dentro da parábola ele aponta para 3 tipos de pessoas que inicialmente foram convidadas,

As duas primeiras que não deram atenção:

  • A primeira estava preocupada com o Futuro (campo), 
  • A segunda que estava preocupada com o seu presente (negócios), 

A terceira tinha um coração maldoso desconsideraram o convite e mataram os servos, eles não tiveram a intenção de atender ao convite.

É interessante que a palavra fala que o Pai do noivo é de enviar um exercito para matar os malfeitores, e solicita a outros servos que fossem nas ruas para convidar pessoas para as núpcias, é necessário dizer que o casamento na bíblia era motivo para festejos alegres, cheios de animação, que poderiam durar até uma semana ou mais, então era necessário uma preparação uma roupa especifica, para honrar os noivos e a família que estava oferecendo o evento.

A Parábola diz que o Pai do noivo ao sair para ver os convidados, viu um homem que não estava com vestes de festa, e a este foi dado à ordem de amará-lo e retira-lo da festa, bem foi neste ponto que chegamos ao versículo em questão que diz que “muitos são chamados mais poucos são escolhidos”, podemos dizer então que é necessário ser digno para ser escolhido, porque o homem que foi retirado da festa não era digno de estar na festa.

A Bispa Vera Lopes sempre diz, que “devemos tratar com prioridade quem nos trata com prioridade”, a falta da vestimenta certa na festa, mostra que aquele homem não dava a mínima importância para onde ele estava, ou como estava sendo tratado, e por este motivo ele se encontrou indigno de estar ali.

Mais o que significa ser digno para ser escolhido na vida ministerial?

  1. A Bíblia diz em 2 Timóteo 2:15 “Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade”, a dignidade então vem da palavra que por sua vez traz a Fé como o fundamento sublime a ser seguido, é pela Fé que nos apresentamos a Deus diante de todas as situações crendo e confiando que o Senhor é fiel para cumprir em nós e através de nós todos os seu desígnios, outro ponto é conhecer bem a palavra de Deus, sabemos que uma grande arma contra as astutas ciladas do inimigo.

O inimigo é astuto e tem no seu currículo a experiência de acusar o povo de Deus com a sua palavra, distorcendo para criar argumentos para cairmos em suas garras inocentes por não colocar o caminhar com Deus como prioridade em nossas vidas, e isto acontecem porque não conhecemos as promessas e os princípios de nosso Deus.

Fica claro para todos que a necessidade de ler a Bíblia é vital para os nossos dias na terra, sem o conhecimento das promessas contidas na palavra de Deus somos como crianças brincando em um parque no meio da guerra. 

Então vamos começar pela nossa casa pelo nosso Lar ao pensar em Família sempre pensamos em porto seguro, coluna, e/ou base, então vamos iniciar este estudo de forma inovadora e gostaria de comparar a base o alicerce de uma vida ministerial com o alicerce de uma obra de construção.

 Assim, é a base o alicerce a fundação que faz com a obra fique em pé e se sustente até a finalização, assim também é a Família independente do tamanho do ministério ou qual seja o seu ministério no corpo de Cristo a Família será a sua base e o seu primeiro ministério. Para que essa estrutura seja segura, há uma série de cálculos e detalhes que precisam ser seguidos à risca, a fim de que não ocorram erros.

Para constituição de uma Família saudável também de modo que existem princípios a serem seguidos dentro de uma família para que ela se torne um alicerce uma Base para nós e através da Palavra de Deus que é o fundamento e o princípio regulador da família encontrou esta base para o sucesso ministerial.

Partindo do pressuposto de que a Palavra de Deus é o fundamento e o princípio regulador da família, podemos perceber as bases que o próprio Deus estabeleceu para o relacionamento familiar.

Em primeiro lugar, a família é formada a partir do casamento. Ao criar Adão e Eva, Deus disse: “E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele. (Gênesis 2:18).

Este breve versículo expressa o modelo de Deus para o casamento. Segundo o propósito divino, o casamento deve ser: 

1) heterossexual – Deus uniu homem e mulher; 

2) monogâmico – Deus deu apenas uma esposa a Adão e, consequentemente, um único marido à Eva; 

3) monossomático – homem e mulher devem se tornar uma só carne envolvidos numa união física e emocional; 

4) indissolúvel – segundo o propósito de Deus, o casamento deve ser para toda a vida (a palavra “apegar-se-á” sugere exatamente isso).

Em segundo lugar, a família normalmente, e naturalmente, deve se estender através da chegada dos filhos. Após instituir o casamento, Deus abençoou o primeiro casal para que eles multiplicassem por sobre a terra. Os filhos são amplamente vistos na Bíblia como dádivas e bênçãos de Deus (Gênesis 4:1; 33:5; Salmos 113:9; 127:3; 68:6). Com raríssimas exceções, como problemas de saúde, por exemplo, é esperado que casais cristãos desejem ter filhos.

  1. Princípios bíblicos para os relacionamentos familiares

O texto bíblico mais lembrado quando o assunto é o cuidado com a família, é aquele escrito pelo apóstolo Paulo aos crentes da cidade de Efésios 5:21-28 “Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus. Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor; Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos. Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.

E também Efésios 6:1-4 Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor, Nesses textos o apóstolo aponta quais são os princípios gerais que devem regulamentar os relacionamentos familiares. 

Ele fala sobre como os cônjuges devem cuidar um do outro e como ambos devem cuidar dos filhos.

O texto é bastante claro. Embora homens e mulheres sejam iguais perante Deus, a liderança dentro da unidade familiar foi confiada por Deus ao marido. O apóstolo constrói sua exposição sobre esse aspecto do governo e cuidado da família com base na ordem da criação; bem como considera as consequências da Queda do Homem (1 Coríntios 11:8,9; 1 Timóteo 2:13-15).

Paulo escreve que as mulheres devem ser submissas ao seu próprio marido. Contudo, a liderança do homem sempre deve ser em amor, ou seja, o mandamento é para que os maridos amem suas esposas.

Além disso, tanto a submissão da mulher quanto a liderança do marido devem ser fundamentadas no amor de Cristo. 

A esposa deve ser submissa ao marido como “ao Senhor”. Paulo ainda explica que a sujeição da Igreja a Cristo serve de modelo para a sujeição da esposa ao marido. Da mesma forma, o marido deve amar a esposa “como também Cristo amou a Igreja”  Efésios 5:23-25. Esse amor deve ser tão profundo e dedicado, que Paulo diz que “quem ama a esposa a si mesmo se ama” Efésios 5:28.

Na família em que a esposa é adjutora do marido, e que o marido cuida e conduz a esposa em amor, os pais também devem liderar e guiar os filhos. Assim, os filhos desempenham seu papel no comprometimento com a família obedecendo aos seus pais; isto é, honrando pai e mãe. 

Porém, os pais não devem ser tiranos; ao contrário, eles não devem provocar seus filhos à ira, mas devem criá-los na disciplina e na admoestação do Senhor e Efésios 6:1-4 “Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo.
Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa;
Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.

Há diversas passagens bíblicas que trazem ensinamentos fundamentais para a vida prática da família. Vejamos algumas delas:

  • A Bíblia fala da importância e do significado elevado do casamento ao comparar a relação entre marido e mulher à relação entre Cristo e a Igreja. A mulher deve aceitar a liderança do marido. Mas o marido tem que exercer essa liderança de modo a refletir o cuidado e o amor do próprio Cristo à sua Igreja, Efésios 5:22-25 “Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor; Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos. Vós, maridos”.
  • Os responsáveis por treinar as crianças são os pais 
  • Gênesis 18:18,19; 
  • Deuteronômio 4:9; 6:6-8; 11:18-21; 
  • Provérbios 22:6; Efésios 6:4). Nesse sentido, a disciplina é algo de muito valor (Provérbios 13:24; 19:18; 22:15; 23:13,14; 29:15,17; Hebreus 12:5-11).
  • A mulher briguenta é reprovada 
  • (Provérbios 19:13; 27:15); bem os filhos desobedientes também são (Provérbios 19:26; 20:20).
  • O relacionamento entre um crente e um incrédulo é desencorajado 
  • (Deuteronômio 7:3,4). Mas no caso de um dos cônjuges ser descrente, a Bíblia também dá instruções acerca de como a parte crente deve proceder (2 Coríntios 6:12-16,32-35).
  • A Bíblia não deixa dúvida quanto à gravidade do divórcio 
  • (Mateus 19:3-11); 
  • Bem como dá instruções sobre quando é permitido casar-se novamente (Romanos 7:1-3; 1 Coríntios 7:39,40).
  • A Bíblia também traz instruções práticas para a vida familiar cotidiana (Tito 2:3-5; 1 Pedro 3:1-6; etc.).

 

Nós além de ministros, pastores, missionários, empresários, somos pais, mães, filhos, amigos, profissionais entre outras coisas mais e por sermos tudo isso, temos que saber claramente qual o nosso papel a desempenhar dentro de casa, dentro da família.

Viver o evangelho, implica em cuidar da família como ela precisa ser cuidada. Muitas pessoas que tiveram sucesso no ministério deixaram suas famílias sucumbirem em função da mensagem que quer passar, em função de ajudar o próximo, mas acabaram por esquecer-se de ajudar o que estava mais próximo deles, esqueceram de ajudar aquela com quem eles dormiram junta, a sua esposa, esqueceram de brincar no parque com os filhos.

Pensar hoje em como estamos agindo em relação ao tempo que estamos dando para nossa esposa, nossos filhos juntos e individualmente é muito importante, pois somos uma família, mas também somos indivíduos, esposa, filho mais velho, filho mais novo, filha mulher, etc.

Pensar sobre como podemos ser verdadeiramente efetivos em nossas famílias, vai criar uma sociedade melhor, iremos ter uma base mais solida, onde poderemos ter a certeza que fizemos nossos papeis com excelência e que as escolhas deles agora podem ser baseados em uma boa referencia.

Fonte/Autor: Pr Marcio Proent

Deseja Fazer parte?

Entre em contato conosco.